Ligue!
19 3802.2020

CRÉDITO | EDUCAÇÃO FINANCEIRA - Dívidas vão além do SCPC e causam mais transtornos ao inadimplente

Deixar de pagar as contas é sempre um mau negócio: para o consumidor, para as empresas e para a economia;

Restrições de crédito, dificuldades para contratar financiamentos, juros muito mais caros, saia justa. Quem deixa de pagar as contas enfrenta mais do que o nome inscrito em serviços de proteção ao crédito, alerta a Associação Comercial e Empresarial (ACE-Holambra). Até 21 de agosto, a entidade está promovendo na cidade a Campanha Nome Limpo – Acerte suas contas, cuja finalidade é orientar os inadimplentes e ajudá-los a regularizar sua situação junto às empresas. A ação tem o apoio da Cooperativa de Crédito Sicredi.

• Cinco anos em órgão de proteção ao crédito

O consumidor que não acerta suas prestações em dia acaba pagando mais caro pelo produto que comprou ou pelo serviço que contratou. As contas, em geral, são acrescidas de juros e multas, cobrados legalmente porque a empresa também teve prejuízo com o atraso.

Uma vez inadimplente, o consumidor vê a situação piorar. Começa enfrentando a cobrança pela empresa, que termina por registrá-lo no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), quando não recebe a dívida. “Por cinco anos, cada vez que uma empresa ou instituição, de qualquer parte do país, consultar o CPF daquele consumidor, receberá a notificação de que se trata de alguém com restrições de crédito”, fala o vice-presidente da ACE, Almir André de Almeida.

• Inadimplente paga juros mais caros e pode ter problema com trabalho

Pessoas com a situação irregular, porém, enfrentam consequências que vão além do nome no SCPC. “A depender da dívida e da empresa, a situação pode chegar à via jurídica, o que tornará a inadimplência um fardo para o consumidor e as empresas”.

O não pagamento das contas causa transtornos na rotina do endividado. Além daqueles mais conhecidos, como protesto e negativação, o consumidor paga caro quando precisa de crédito. “Geralmente, ele só tem acesso a empréstimos com juros muito altos e em empresas que atendem essa modalidade de cliente. O inadimplente também pode ter problemas em concursos públicos e com vagas de empregos em geral, já que o TST não veda a consulta e uso da negativação como critério de seleção”.

• Adiar sonho da casa própria

Os efeitos da inadimplência podem adiar também o sonho de um carro ou da casa própria, pois o acesso do devedor aos serviços e produtos bancários fica comprometido. Embora cada instituição tenha sua política de atendimento, os bancos não fazem vista grossa para os endividados, restringindo o acesso a produtos como financiamentos, por exemplo.

“O não pagamento das contas em dia é um mau negócio, pois leva à restrição na tomada de novas linhas de crédito, como um empréstimo, um financiamento de um veículo ou de uma casa, um cartão de crédito entre outros, tanto em instituições financeiras, como nos comércios locais, dificultando o poder de compra de cada associado ou cliente”, afirma o gerente da Sicredi, unidade Holambra, Gustavo Barros Miranda.

• Com efeito cascata, inadimplência afeta empresas e até empregos

Se o consumidor enfrenta problemas com o endividamento, eles não se restringem às pessoas físicas. No mercado, a inadimplência é considerada uma bola de neve, devastadora para empresas e ruim para a economia da cidade, como um todo. “A inadimplência é um prejuízo para as empresas, motivo, inclusive, de fechamento. As empresas precisam receber as vendas que fizeram, pois só assim poderão pagar as suas próprias contas e também salários”, alerta o vice-presidente da ACE, Almir de Almeida. “Dependendo do nível de inadimplência, a empresa precisará equilibrar as contas, o que pode levar à demissão de funcionários”.

Campanha Nome Limpo terá plantão neste sábado, 15

Para ajudar as empresas a recuperarem vendas não recebidas e para auxiliar na regularização de crédito pelos inadimplentes, a ACE-Holambra está promovendo a Campanha Nome Limpo.

Durante todo o período, a Sicredi também está com atendimento na ACE, com o propósito de facilitar o acesso de associados à negociação. “Estamos participando porque é uma ação muito próxima de nossa missão, que é a de valorizar os relacionamentos, oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para melhorar a qualidade de vida dos nossos associados e da sociedade”, fala o gerente da Sicredi, Gustavo Miranda. “Tenho certeza de que vamos fazer a diferença na vida das pessoas que neste momento precisam desta assessoria”.

De segunda a sexta-feira, o atendimento vai das 8 às 17 horas. No próximo sábado, 15, haverá plantão, das 9 às 14 horas, na sede da Associação Comercial: Avenida das Tulipas 103, Centro.

Podem procurar a entidade, as pessoas que têm dívidas na Sicredi e nas empresas da cidade, participantes da campanha. Interessados devem levar a via original do RG e do CPF.

 






<< Voltar